Milagre Eucarístico de Sena, Itália

 

Milagre Eucarístico de Sena, Itália

Milagre Eucarístico de Sena, Itália - Ano de 1330

Em todo milagre eucarístico há uma curiosidade saudável, uma vez que os nossos olhos e conhecimentos nunca atingem os mistérios de Deus. No milagre eucarístico de Sena, na Itália, o curioso é que ele acontece não pela incredulidade de uma pessoa, mas por um ato de violência contra a fé.

Conta a história que um grupo de ladrões roubou, de uma Igreja, um cibório de prata, onde ficavam guardadas as hóstias consagradas. Alguns dias depois, as hóstias foram encontradas num cofre de esmolas de outra Igreja. Em reparação a este ato, os fieis levaram em procissão, precedidas pelo pároco, as hóstias roubadas, e as colocaram de volta no sacrário.

O que era para ser um simples ato de reparação transformou-se num milagre. Isso aconteceu no ano de 1730. Cinquenta anos depois, ao examinarem as hóstias consagradas, percebeu-se que elas estavam intactas e com o mesmo frescor de quando haviam sido feitas.

A divulgação do fato fez com que a Igreja providenciasse uma análise mais apropriada. Cientistas da época constataram que a conservação das hóstias não tinha outra explicação a não ser um milagre. Para tanto, foi providenciado um teste: colocaram o mesmo número de partículas do referido milagre numa caixa fechada e, dez anos depois, a abriram. Só encontraram restos putrefatos e pequenas partículas amareladas.

Tantos outros testes foram realizados e o mais importante deles foi feito em 1914, tendo participado um dos mais renomados cientistas da época, o professor Siro Grimaldi, que após o exame das hóstias lançou um livro com o título “Um cientista que adora”, explicando que a farinha é o grão que atrai fungos e parasitas com mais rapidez, mas que aqueles fragmentos de trigo estavam incorruptíveis.

A farinha, que é um produto do trigo, após a consagração, torna-se o verdadeiro Corpo de Cristo. Esse milagre Eucarístico que acontece em todas as Santas Missas é fonte de inspiração para que a nossa fé não se perca em dúvidas sem sentido. O que prevalece não é o trigo, mas o mistério que surge por trás dele. É o Corpo de Cristo, que se dá a cada um de nós.

Texto de Padre Air José de Mendonça – Revista Brasil Cristão