Milagre de São Pio de Pietrelcina - A converão e c

 

Milagre de São Pio de Pietrelcina - A converão e c

Milagre de São Pio de Pietrelcina
Conversão e cura

Altar-mor da igreja Santa Maria delle Grazie, em San Giovanni Rotondo (Itália), onde celebrava o Padre Pio
Um dia em 1919, o padre Carlo Naldi, de Florença, chegou à Santa Maria das Graças com um amigo judeu chamado Lello Pegna. Padre Naldi explicou que seu amigo, que havia recentemente se tornado totalmente cego, viera pedir a Padre Pio para interceder junto a Deus por uma cura.
Padre Paolino, testemunha ocular, deixou-nos algumas notas sobre este caso. Não havia dúvida de que Pegna era cego e que era de fé judaica. Alguém tinha até mesmo que ajudá-lo a comer, botando o prato na sua frente, cortando-lhe o pão e a carne, posicionando o copo de vinho em sua mão. Padre Pio acolheu Pegna, mas disse-lhe: "O Senhor não irá conceder-lhe a graça da visão física a menos que primeiro abra as vistas da sua alma. Depois que for batizado, então o Senhor lhe dará a sua visão".
Alguns meses mais tarde, Pegna voltou, desta vez sem os seus óculos escuros. Ele então explicou que tinha, apesar da oposição de sua família, tornado-se cristão e que tinha sido batizado, como foi solicitado por São Pio de Pietrelcina. No começo, estava desanimado, pois a sua cegueira persistia –, talvez uma outra prova de fé –; mas, gradualmente, ao longo de um período de meses, sua visão voltou, e o médico que o havia informado anteriormente que estava irremediavelmente cego, agora fora surpreendido diante dos olhos perfeitamente curados de seu paciente.

Padre Paolino sentiu que era seu dever manter contato com este homem, que lhe informou, quase trinta anos mais tarde, que sua visão continuava perfeita.