“Meu encontro com o diabo em Medjugorje !!!”

 

 


Em 1936 Nossa Senhora apareceu no Norte do Brasil para avisar que três grandes castigos cairão sobre o Brasil. Ela disse: O sangue inundará o Brasil por causa do comunismo, e haverá uma guerra civil caso não haja conversão, jejum, penitência e oração. DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT, e vamos pedir para nossa Mãe Celestial que afaste de nós os castigos. Leia a matéria completa aqui - CLIQUE AQUI!!! DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT - Faça como o Padre José Augusto da Canção Nova que denunciou o PT e não se acovardou - assista aqui o que ele disse - CLIQUE AQUI!!! - DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT

“Meu encontro com o diabo em Medjugorje !!!”

“Meu encontro com o diabo em Medjugorje !!!”

Louise Roseingrave

 

O corpo estava se debatendo; Foram necessários seis homens para controlar sua força carregada. A multidão estava rezando febrilmente em italiano, “Santa Maria, prega por noi”. Essas palavras agora estavam gravadas em minha memória. Eu tinha ido com uma mente aberta para Medjugorje, Bósnia Herzegovina, onde Nossa Senhora tem aparecido a seis videntes nos últimos 32 anos. Mas eu não esperava encontrar o diabo.

Eu estava perambulando pela igreja de São Tiago, onde milhões de peregrinos assistem a missas e cultos de oração, quando me deparei com um exorcismo.

Eu empurrei minha cabeça através da multidão. Foi um show de horror que nunca vou esquecer.

O padre estava curvado sobre uma mulher italiana, com cerca de 30 anos, cujo rosto estava contorcido de raiva.

Seus lábios foram puxados para trás quando ela mostrou os dentes, sibilando [som de serpente], esticando, rosnando e se contorcendo. O padre tinha a bíblia em uma mão, recitando as escrituras.

Com a outra mão, o padre repetidamente fez o sinal da cruz na testa da mulher. Outro sacerdote mais jovem administrava água benta para a mulher beber.

Suas pupilas estavam tão dilatadas que seus olhos eram poças de preto. Suas mãos estavam arranhando o ar, os dedos curvados e prontos para arranhar.

A cena era tão grotesca e perturbadora que vários orantes estavam chorando.

Eu tive que lutar contra as lágrimas eu mesmo. Como se para se unirem contra este diabólico inimigo, a multidão formou um círculo de oração, de mãos dadas.

Lá estava eu, no meio dela, assustada, mas intrigada com esse antigo ritual em ação.

O demônio dentro de si silvou e fervia toda vez que a multidão abençoava a mulher com água benta. O demônio alternava aquele som assustador com xingamentos abusivos de seus atormentadores, os sacerdotes, proferidos através de seu diabólico e mundano gorgolejar.

O rosto da mulher relaxou um pouco e ela se juntou ao recital do Rosário com as pessoas ao seu redor. A tensão diminuiu ligeiramente.

Todos estávamos orando, literalmente, por sua libertação. “Prega per noi”, disse ela.

E então, do nada, os músculos do pescoço da mulher se esticaram e esticaram, empurrando a cabeça diretamente para o rosto do padre, os lábios se curvaram para trás, os dentes arreganhados e essa risada horripilante emergiu como se dissesse “enganou você”.
Achei a coisa toda tão perturbadora que me perguntei o que seria dessa mulher. Quanto tempo levaria esse processo? Depois de 30 minutos mais ou menos (eu tinha perdido as duas horas anteriores), o demônio diminuiu, o corpo da mulher ficou mole e os sacerdotes a colocaram em uma posição sentada em um banco próximo. Ela parecia confusa e confusa, como alguém vindo depois de desmaiar. Exausta, ela começou a chorar.

Entre a multidão, um adolescente estava tão traumatizado que começou a chorar.

O resto de nós partiu devagar, chocado e profundamente perturbado com o que havíamos visto.

Toda aquela noite, eu não consegui remover essas imagens da minha cabeça. Lembrar a voz estridente causou arrepios na minha espinha.

Tem havido muita especulação de que o papa realizou um exorcismo em um menino em cadeira de rodas, na Praça de São Pedro, no início da semana passada. Pode ter sido uma libertação. Qualquer tipo de bênção serve ao propósito de afastar o mal. O Vaticano e a Igreja minimizam o ritual do exorcismo, talvez para não assustar os crentes e não atrair mais a má imprensa.

Mas em Medjugorje, onde Nossa Senhora é recebida com respeitoso silêncio todos os dias

18h40, ocorrências de possessões e libertações são comuns.

“Onde quer que Nossa Senhora esteja presente, ali está também o diabo”, me disseram os visitantes experientes em Medjugorje. Os demônios nos peregrinos ficam enfurecidos na santa presença de Jesus e da Virgem Maria, como se não pudessem suportar a santidade.

Algumas formas de exorcismo são diretas, como a libertação, talvez de um vício crônico ou outro comportamento debilitante. Instâncias de possessão demoníaca podem ser prolongadas e dramáticas e podem continuar por dias. Quando pergunto o que uma pessoa pode ter feito para atrair uma infestação demoníaca, as respostas variam, mas o ocultismo, dizem-me particularmente os conselhos ouija, são perigos significativos.
Isso me leva correndo para a confissão. Eu acredito em Deus e vou em massa. Eu rezo e tenho uma boa vida, embora nem sempre tenha sucesso.

Mas tropeçar no meio de algo tão perturbador muda a perspectiva de uma pessoa.

Experimentar a ira infernal daquele demônio teve um efeito profundo.

Fui a Medjugorje por uma semana e fiquei por três semanas. Eu já havia viajado pelo mundo em busca da verdade espiritual, permanecendo em um ashram hindu no Nepal, com monges budistas no Himalaia e aprendendo o generoso etos do Islã no Oriente Médio e na Indonésia.

Eu me formei como professora de yoga na Índia, mudei para uma casa de campo no interior de West Cork e participei de algumas peregrinações punitivas em Lough Derg.

Mas em nenhum outro lugar encontrei a sensação de paz, luz e amor que existe em Medjugorje.

Milagres abundam todos os dias lá; milagres pessoais que mudam a vida.

O catolicismo, com todos os seus sacramentos e rituais sagrados, é celebrado.

Milhares de pessoas se ajoelham e rezam diante do Santíssimo Sacramento durante a “hora santa” na basílica, mas você pode ouvir um alfinete cair, tal é o nível de reverência.

Adultos são rotineiramente reduzidos a lágrimas, às vezes grandes soluços, como uma compreensão de anos de dor reprimida e frustração é percebida, o primeiro passo na cura.

Tornei-me uma viciada pela santa missa em Medjugorje, vendo irmãos, casais, amigos e famílias se abraçarem apaixonados enquanto os 60 minutos chegavam ao fim. Em um mundo repleto de mentiras e enganos, encontrei a verdade em Medjugorje.

E a verdade é que o diabo existe, ele é muito bom em enganar as pessoas e fazê-las pensar que ele não existe.

Matéria original: https://mysticpost.com/2018/03/what-to-do-if-the-diabolical-enemy-arrives-at-640-in-medjugorje-when-the-devil-attacks/