Fátima - 13 de Outubro de 1917 - O Milagre do sol

 

Fátima - 13 de Outubro de 1917 - O Milagre do sol

Portugal - Fátima - 13 de Outubro de 1917 - O Milagre do Sol

 

De acordo com os relatos da época, milhares de pessoas assistiram a um Milagre do Sol, em Fátima, no dia 13 de Outubro de 1917.Devido ao facto de os pastorinhos terem revelado que a Virgem Maria iria fazer um milagre neste dia para que todos acreditassem, estavam presentes na Cova da Iria cerca de 50 mil pessoas, segundo os relatos da época. Chovia com abundância e a multidão aguardava as três crianças nos terrenos enlameados da serra. Lúcia assim descreve estes acontecimentos na Memória IV: "Saímos de casa bastante cedo, contando com as demoras do caminho. O povo era em massa. A chuva, torrencial. Minha mãe, temendo que fosse aquele o último dia da minha vida, com o coração retalhado pela incerteza do que iria acontecer, quis acompanhar-me. Pelo caminho, as cenas do mês passado, mais numerosas e comovedoras. Nem a lamaceira dos caminhos impedia essa gente de se ajoelhar na atitude mais humilde e suplicante. Chegados à Cova de Iria, junto da carrasqueira, levada por um movimento interior, pedi ao povo que fechasse os guarda-chuvas para rezarmos o terço. Pouco depois, vimos o reflexo da luz e, em seguida, Nossa Senhora sobre a carrasqueira.

Lúcia: - Que é que Vossemecê me quer? Nossa Senhora: – Quero dizer-te que façam aqui uma capela em Minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o terço todos os dias. A guerra vai acabar e os militares voltarão em breve para suas casas. - Eu tinha muitas coisas para Lhe pedir: se curava uns doentes e se convertia uns pecadores, etc. - Uns, sim; outros, não. É preciso que se emendem, que peçam perdão dos seus pecados. E tomando um aspecto mais triste: – Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido. E abrindo as mãos, fê-las reflectir no Sol. E enquanto que se elevava, continuava o reflexo da Sua própria luz a projectar-se no Sol."

Lúcia diz para a multidão olhar para o sol, levada por um movimento interior que a isso a impeliu. "Desaparecida Nossa Senhora, na imensa distância do firmamento, vimos, ao lado do sol, S. José com o Menino e Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul." Era a Sagrada Família.

Página da edição de 29 de Outubro de 1917 da Ilustração Portuguesa com uma reportagem sobre o milagre."S. José com o Menino pareciam abençoar o Mundo com uns gestos que faziam com a mão em forma de cruz. Pouco depois, desvanecida esta aparição, vi Nosso Senhor acabrunhado de dôr a caminho do Calvário e Nossa Senhora que me dava a ideia de ser Nossa Senhora das Dores." Lúcia via apenas a parte superior do corpo de Nosso Senhor e Nossa Senhora não tinha a espada no peito "Nosso Senhor parecia abençoar o Mundo da mesma forma que São José. Desvaneceu-se esta aparição e pareceu-me ver ainda Nossa Senhora, em forma semelhante a Nossa Senhora do Carmo, com o Menino Jesus ao colo."

Enquanto os três pastorinhos eram agraciados com estas visões (apenas Lúcia viu os três quadros, Jacinta e Francisco viram sómente o primeiro), a maior parte da multidão presente observou o chamado O Milagre do Sol. A chuva que caía cessou, as nuvens entreabriram-se deixando ver o Sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podia fitar-se sem dificuldade sem cegar. A imensa bola começou a girar vertiginosamente sobre si mesma como uma roda de fogo. Depois, os seus bordos tornaram-se escarlates e deslizou no céu, como um redemoinho, espargindo chamas vermelhas de fogo. Essa luz refletia-se no solo, nas árvores, nas próprias faces das pessoas e nas roupas, tomando tonalidades brilhantes e diferentes cores. Animado três vezes por um movimento louco, o globo de fogo pareceu tremer, sacudir-se e precipitar-se em ziguezague sobre a multidão aterrorizada. Tudo durou uns dez minutos. Finalmente, o Sol voltou em ziguezague para o seu lugar e ficou novamente tranquilo e brilhante. Muitas pessoas notaram que as suas roupas, ensopadas pela chuva, tinham secado súbitamente.

Tal fenómeno foi testemunhado por milhares de pessoas, até mesmo por outras que estavam a quilómetros do lugar das aparições. O relato foi publicado na imprensa por diversos jornalistas que ali se deslocaram e que foram também eles, testemunhas do milagre.

Lúcia, a mais velha dos três pastorinhos, revelou em suas Memórias as visões extraordinárias que teve enquanto Nossa Senhora comandava o Milagre do Sol no céu de Fátima.

Diz a Irmã Lúcia:

“E abrindo as mãos, Nossa Senhora projetou feixes de luz que refletiram no Sol. E enquanto se elevava da azinheira para o Céu, continuava o reflexo da Sua própria luz a projetar-se no Sol.”

“Então, eu gritei:

“Olhem, olhem para o Sol!”

“O meu fim não era chamar para si a atenção do povo, pois que nem sequer me dava conta da sua própria presença. Fi-lo apenas levada por um movimento interior que a isso me impeliu.”

Naquele exato momento “as nuvens desapareceram num instante, a chuva terminou e apareceu o sol que tinha uma cor prateada e não cegava”.

Uma enorme quantidade de depoimentos de testemunhas do Milagre do Sol, relatando os mesmos acontecimentos, ajudam a comprovar a veracidade do epidódio.

“Era como um disco de vidro fosco iluminado por detrás e girando sobre si mesmo, dando a impressão que estava caindo sobre nossas cabeças.”

(Sr. Mario Godinho, que não acreditava nas aparições de Fátima até o dia do Milagre)

“Olhei fixamente para o sol que parecia pálido, não feria meus olhos. Parecendo uma bola de neve, ele girava sobre si mesmo; de repente pareceu cair em ziguezague.”

(Pe. Joaquim Lourenço, que decidiu pelo sacerdócio após a experiência)

“O sol começou a rodar em círculos de todas as cores. Era como uma roda de fogos de artifício, caindo sobre o chão.”

“Até nossas roupas tinham secado. Não sentimos absolutamente nada. As roupas estavam secas e pareciam que tinham acabado de vir da lavanderia. Pensei: ou estou louco ou isto foi um milagre, um verdadeiro milagre.”

(Sr. Dominic Reis, a riqueza de seu relato fez dele uma das principais fontes testemunhais)

“Minha roupa estava molhada e então, sem me dar conta, ficou seca.”

(Sr. Joaquim Vicente, que como grande parte da multidão presente achou que o mundo fosse acabar)

=============================================

Vídeo o Milagre do Sol

 

Lembrando...

Em manuscrito inédito, Papa Pio XII escreveu que assistiu ao milagre do sol que dança.

O Papa Pio XII (1939-1958) escreveu que em 1950, enquanto passeava pelos jardins do Vaticano, e um dia antes de proclamar o dogma mariano da Assunção, assistiu ao "milagre" do "sol que dança", o mesmo fenômeno que a Igreja Católica diz ter acontecido após as aparições de Nossa Senhora de Fátima.

A declaração foi publicada hoje no diário italiano "Il Giornale", que cita um manuscrito inédito de Pio XII, no qual o Pontífice explica que considerou o episódio "uma confirmação celestial" à proclamação do dogma mariano da Assunção, no dia 1º de novembro de 1950.

O chamado "milagre do sol que dança", segundo explica a Igreja Católica, aconteceu em 1917 após as aparições de Nossa Senhora aos pastores de Fátima (Portugal), já que tinha prometido às crianças um sinal para que todos pudessem acreditar.

As pessoas que foram ao local, onde os três primos diziam ter visto Nossa Senhora, asseguraram que viram o sol que se movimentava e "dançava" diante deles.

"Em um certo momento, olhei para o céu e fui surpreendido perante um fenômeno que nunca tinha visto. O sol, que já estava alto, me apareceu como um globo opaco, amarelado, rodeado de um círculo luminoso mas que não me impedia de olhá-lo atentamente", escreveu o Papa Eugenio Pacelli.

Pio XII explicou ainda como viu o globo opaco girando em torno dele mesmo, movimentando-se ligeiramente para a direita e para a esquerda, repetidamente.

Essa confissão, escreve o jornal, está escrita a lápis na parte de trás de uma folha, e foi feita no último período de sua vida.