Das 8 às 9 da manhã Jesus é levado a Pilatos

 

Das 8 às 9 da manhã Jesus é levado a Pilatos

Das 8 às 9 da manhã

Jesus é levado a Pilatos e 
é preterido a Barrabás.
Jesus é flagelado.

Oração antes de cada Hora


Meu Jesus atormentado, o meu pobre coração segue-Te entre ânsias e penas e, ao ver-Te vestido de louco, sabendo quem Tu és, Sabedoria Infinita, que dás o entendimento a todos, entro em delírio e digo: Como! Jesus louco? Jesus malfeitor? E como se isto não basta-se, agora és preterido ao maior malfeitor, a Barrabás!

Meu Jesus, Santidade que não tem igual, estás de novo na presença de Pilatos. Ele ao ver-Te tão mal tratado, vestido de louco e que nem sequer Herodes Te condenou, fica mais indignado com os judeus, convence-se ainda mais da Tua inocência e não Te quer condenar, mas querendo dar alguma satisfação aos judeus, quase para extinguir o ódio, o furor, a raiva e a sede ardente que têm do Teu Sangue, propõe-Te à sua escolha juntamente com Barrabás; mas os judeus gritam: - “Não queremos que libertes Jesus, mas Barrabás!”

Então, Pilatos, não sabendo o que fazer, para os acalmar, condena-Te à flagelação.

Meu Jesus preterido, o meu coração parte-se ao ver que, enquanto os judeus se ocupam de Ti para Te fazer morrer, Tu, ao contrário, recolhido em Ti mesmo, pensas em dar a Vida a todos; e pondo-me à escuta, ouço-Te dizer:

“Pai Santo, olha o Teu Filho vestido de louco: Este Te repare a loucura de tantas criaturas caídas no pecado. Esta veste branca, diante de Ti, seja como desculpa por tantas almas que se vestem da lúgubre veste da culpa. Vês, ó Pai, o ódio, o furor, a raiva que sentem contra Mim, que quase lhes faz perder a luz da razão, por causa da sede do Meu Sangue? E Eu quero reparar-Te todos os ódios, as vinganças, a ira, os homicídios, e pedir para todos a luz da razão.

Meu Pai, olha para Mim: poderá fazer-se insulto maior? Colocaram-Me à escolha com o maior malfeitor; e Eu quero reparar-Te todas as escolhas que se fazem. Ah, todo o mundo está repleto de escolhas: há quem escolha entre Nós e um vil interesse, as honras, as vaidades, os prazeres, os apegos, os cargos, os excessos e por fim o próprio pecado. Todas as criaturas, sem excepção, Nos preterem, mesmo diante de uma pequena loucura; e Eu estou pronto a aceitar ser posposto a Barrabás, para reparar as proposições que Nos fazem as criaturas.

Meu Jesus, sinto-me morrer de dor e de confusão ao ver o Teu grande Amor, no meio de tantas dores e o heroísmo das Tuas virtudes entre os inúmeros sofrimentos e insultos. As Tuas palavras e reparações repercutem-se no meu pobre coração, como tantas feridas e, no meu tormento, repito as Tuas orações e reparações. Não quero, nem sequer um só instante, separar-me de Ti, de outro modo, passar-me-ão despercebidas muitas coisas daquilo que Tu fazes. Mas, o que vejo? Os soldados conduzem-Te até junto de uma coluna para Te flagelar. Meu Amor, sigo-Te e Tu fixas-me com o Teu olhar de amor e dás-me força para assistir ao Teu doloroso massacre.

 

 

Jesus é flagelado

 

Meu Jesus puríssimo, já Te encontras perto da coluna. Os soldados enfurecidos desatam-Te para Te amarrarem a ela; mas, não basta: tiram-Te as Tuas vestes para massacrarem de uma forma cruel o Teu Santíssimo Corpo. Meu Amor, minha Vida, sinto-me sem forças, devido à dor de Te ver despido. Tu tremes da cabeça aos pés e o Teu Rosto Santíssimo tinge-se de um rubor virginal; é tanta a Tua confusão e a falta de forças que, não  Te aguentando em pé, estás para cair junto da coluna, mas os soldados sustêm-Te, e não Te deixam cair, não para Te ajudar, mas, para  Te poderem amarrar.

Pegam nas cordas e amarram-Te os braços, de tal forma apertados, que depressa incham e o sangue jorra da ponta dos dedos. Depois, a partir do elo da coluna, passam as cordas e correntes à volta da Tua Santíssima Pessoa, até aos pés, e atam-Te tanto à coluna que nem sequer Te consegues mexer. Assim podem desenfrear-se livremente sobre Ti.

Meu Jesus despojado, permite-me que desabafe, de outra forma não consigo continuar a ver-Te sofrer tanto. Como, Tu que vestes todas as coisas criadas, o sol de luz, o céu de estrelas, as plantas de folhas, os pássaros de penas, Tu estás despojado? Que ousadia! Mas, o meu amado Jesus, com a luz que transmite com o Seu olhar, diz-me:

“Cala-te, ó filho; era necessário que fosse despojado, para reparar por tantos que se despojam de todo o pudor, da candura e da inocência, que se despem de todo o bem, de toda a virtude e da Minha Graça, e se vestem de toda a imundície, vivendo de forma desonrosa. No Meu rubor virginal quis reparar tantas desonestidades, frouxidões e prazeres funestos. Por isso, presta atenção àquilo que faço, reza e repara coMigo e sossega”.

Jesus flagelado, o Teu Amor passa de um excesso ao outro. Vejo que os verdugos pegam nas cordas e Te batem sem piedade, ao ponto de o Teu Santíssimo Corpo ficar todo roxo, e batem-Te com tanta crueldade e tanto furor que já estão cansados; mas outros dois os substituem, pegam em varas com espinhos e batem-Te tanto que, imediatamente, começam a escorrer rios de Sangue do Teu Santíssimo Corpo; batem-Te por todo o lado, formando sulcos, e enchem-no de chagas. Mas não basta, mais dois tomam o lugar dos outros e, com correntes de ferro com ganchos, continuam o doloroso massacre. Aos primeiros golpes, aquela carne pisada e ferida dilacera-se e, em pedaços, cai no chão, deixando os ossos à vista e o Sangue é tanto, ao ponto de formar um lago à volta da coluna.

Jesus, meu Amor despido, enquanto Tu estás debaixo desta tempestade de golpes, abraço-me aos Teus pés para tomar parte nas Tuas penas e ficar todo coberto com o Teu preciosíssimo Sangue. Cada golpe que recebes é uma ferida para o meu coração, além disso, pondo-me à escuta, sinto os Teus gemidos, mas, estes quase não se ouvem, porque a tempestade de pancadas ensurdece a atmosfera circundante; e naqueles gemidos, Tu dizes:

“Todos vós que Me amais, vinde aprender o heroísmo do verdadeiro amor! Vinde saciar, no Meu Sangue, a sede das vossas paixões, a sede de tantas ambições, de tantas vaidades e prazeres, de tantas sensualidades! Neste Meu Sangue encontrareis o remédio para todos os vossos males!”

Os Teus gemidos continuam a dizer: - “Ó Pai, olha para Mim, estou todo chagado, debaixo desta tempestade de golpes; mas, não é tudo, quero formar tantas chagas no Meu Corpo, como moradas suficientes, no Céu da Minha Humanidade, para todas as almas, de modo a formar em Mim mesmo a sua salvação e depois fazê-las passar ao Céu da Divindade. Meu Pai, cada golpe destes flagelos repare diante de Ti todas as espécies de pecado, um por um, e ao atingirem-Me, a Mim, desculpem aqueles que os praticam. Estes golpes atinjam os corações das criaturas e lhes falem do Meu Amor, ao ponto de as constrangerem a render-se a Mim”.

E, enquanto dizes isto, embora com grande dor, o Teu Amor é tão grande, que quase incitas os algozes a baterem-Te mais. Meu Jesus descarnado, o Teu Amor esmaga-me e sinto que enlouqueço. O Teu Amor não se cansa, enquanto os verdugos estão exaustos e sem forças, e não podem continuar, por mais tempo, o doloroso massacre.

Cortam as cordas e Tu cais quase morto no Teu próprio Sangue; e ao veres os pedacinhos da Tua carne, sentes-Te morrer de dor, vendo naqueles pedacinhos, separados de Ti as almas condenadas, e a Tua dor é tal, que agonizas no Teu próprio Sangue.

Meu Jesus, deixa que Te tome nos meus braços para Te refazer um pouco com o meu amor. Beijo-Te e, com o meu beijo, encerro em ti todas as almas, assim nenhuma delas se perderá; e Tu abençoa-me.

 

Reflexões práticas

Das 8 às 9 Jesus é despojado e submetido a maus tratos cruéis. E nós estamos despojados de tudo? Jesus está amarrado à coluna, e nós, deixamo-nos atar pelo amor? Jesus está atado à coluna, enquanto nós, com os nossos pecados e apegos, às vezes também a coisas insignificantes, ou boas em si mesmas, acrescentamos as nossas cordas, como se não bastassem as cordas com as quais os judeus O amarraram. No entanto, Jesus, com o Seu olhar piedoso, chama-nos a desatá-Lo; não vemos naquele Seu olhar, também, uma censura dirigida a nós, porque também nós contribuímos para amarrá-Lo? Para aliviar o aflito Jesus, antes, devemos tirar as nossas correntes para podermos tirar as correntes das outras criaturas; estas nossas pequenas correntes, muitas vezes, são apenas pequenos apegos à nossa vontade, ao nosso amor-próprio um pouco ressentido, às nossas pequenas vaidades que, formando uma série de laços, prendem, dolorosamente, o amável Jesus.

Às vezes, Jesus, preso pelo amor à nossa pobre alma, quer Ele mesmo tirar-nos estas correntes para que nós não repitamos a dolorosa ligadura. Ah, quando nos lamentamos porque não queremos estar amarrados só a Jesus, forçamo-Lo, quase amargurado, a afastar-se de nós.

O nosso Jesus dilacerado, enquanto sofre, repara  todos os pecados contra a modéstia, e nós somos puros na mente, no olhar, nas palavras, nos afetos, de modo a não acrescentar outros golpes sobre aquele Corpo inocente? Estamos sempre unidos a Jesus, de forma a estarmos prontos para O defendermos quando as criaturas O ferem com as suas ofensas?

Meu Jesus acorrentado, as Tuas cadeias sejam as minhas, de tal forma que eu Te sinta sempre em mim, e Tu me sintas sempre em Ti.

 

Oração de agradecimento depois de cada Hora